Motor Foguete a Propelente Sólido

- Funcionamento

No motor foguete a propelente sólido uma carga de propelente sólido , após ignição, entra em combustão fornecendo gases, que expelidos da câmara de combustão e expandidos na tubeira propiciam a geração de uma força reatora denominada empuxo.

A figura abaixo de forma simplificada mostra os principais elementos que compõem um motor foguete a propelente sólido.

- Ignitor

Elemento que fornece energia inicial necessária para ignição e consequente combustão do grão propelente.

A carga ignitora, é composta por substâncias pirotécnicas, como por exemplo pólvora negra.

O acendimento desta carga ocorre por aquecimento, normalmente ocasionado pela passagem de corrente elétrica num filamento condutor.

Os ignitores podem ser classificados em dois tipos:

Pirotécnico

Consiste de uma carga de material pirotécnico, como por exemplo a pólvora negra, confinada na forma de pequenos grãos.

Pirogênico

Consiste de um pequeno motor foguete, que entra em ignição utilizando um ignitor pirotécnico, é utilizado para motores de grande porte, como por exemplo os motores sólidos do ônibus espacial.

 

- Grão propelente

O grão propelente consiste da massa de propelente que se apresenta numa forma geométrica bem definida.

A forma geométrica do propelente garante que na sua combustão obtenhamos um determinado fluxo de massa de gases de combustão conforme as necessidades de empuxo. Esta gemetria pode gerar básicamente perfis de empuxo tipo neutro, progressivo, regressivo ou combinados.

Existem inúmeras geometrias de grão propelente que podem ser utilizadas, conforme o perfil de empuxo desejado.


Projete todos os componentes de seu foguete: Apostilas Técnicas

Tudo sobre tecnologia de foguetes sólidos: CD-ROM NASA